Sunday

Compilação Irmandade Metálica Vol.1

Primeira compilação do fórum nacional Irmandade Metálica. Esta compilação é composta apenas por bandas que estão inscritas no forum. A compilação é gratuita e é composta por 33 bandas Portuguesas dos mais variados subgéneros do Metal.


Irmandade Metalica (Forum): http://www.irmandademetalica.com/

Wednesday

My Own Wolf: A New Approach - a tribute to ULVER

Aspherical Asphyxia proudly presents an ultimate compilation of covertracks dedicated to the ULVER's foundation 15th anniversary. This release contains the explosive mix of very different genres created by the musicians all around the world. Almost three hours' marathon will make nobody indifferent, regardless of the fact that most of the participants are not so well known. Though, all the tracks made as high quality as possible.
Cover artwork for the release made by the famous russian dark artist Oleg "Cmart" Paschenko.
More information about the tribute can be found at the official website: http://panacea.msk.su/ulver/
There are also the links for the free downloading.

The Ocean - Interview

1 – The Ocean (origin and meaning of the band’s name, short bio with highlights, discography, etc):
We are a band, or: collective, from Berlin, Germany. There is no precise »origin« of our name; the term just came up one day. First we hesitated to use it because it seemed a little too simplistic (thus inappropriate of our musical style). But then we realized that truly ingenious things are inevitably simple – so we decided to stick to it. What's great about the name is that there's not the meaning. It has so many facets and evokes so many different associations – from the origin of all life to the end of it; from a calm, peaceful sunset scenery to a devastating hurricane.
The whole thing started back in 2000. Robin had just moved to Berlin with a bunch of songs on a four-track Minidisc recorder and started looking for people to form a band. It took about two years and forty musicians until a stable line-up was established and first live shows could be made. In 2003, we signed to Make My Day Records and released our first (official) record Fogdiver. The next year, Fluxion came out, which saw the introduction of vocals and big-scale orchestrations including classical instruments such as cellos, flutes and trombones. The project soon got too big for Make My Day, so we signed with Metal Blade instead, releasing Aeolian in 2005 and Precambrian in 2007.

2 – “Precambrian” (writing & recording process):
Most of the basic ideas developed during an Australia trip Robin did in summer 2005, and in the Berlin winter that followed. Actually, Robin conceived quite a lot of the material on a four-string guitar on beaches and in hostel rooms on his trip. Back in Berlin, he elaborated them further; but since we were on tour for four months in 2006 and Robin recorded an album with another band of his, he didn't have the time to work on the Precambrian material until late 2006. In April 2007, we went to northern Finland for three weeks in order to record drums and the basic guitar tracks in a barn in the middle of nowhere. Everything else we recorded at home in our Oceanland studios, as we have done ever since, with some of our guest vocalists cut their tracks at their respective places in the U.S., the Netherlands, Belgium, and Sweden. Finally, we had the whole thing mixed in New York City and mastered in Cambridge, MA. There are 26 musicians playing on the album, so you get the idea. To manage this massive polyphony, to handle the huge amount of tracks and still keep the song focused and work out its essence, its core, was the biggest challenge we have ever taken.

3 – “Hadean / Archaean” VS “Proterozoic”:
The Precambrian was the first chapter in the evolution of planet earth, its beginning is set to about 4,5 billion years before now. Geologists subdivide the Precambrian into 2 or 3 eras, Hadean / Archaean and Proterozoic, and in the case of our album, the 2 discs carry these names. These eras are further subdivided into geological periods, which function as song-titles here. So the whole concept evolves around the early days of mother earth, which was then a terrifying place devoid of life and reigned by sulfur and red-glowing streams of lava... During the Proterozoic, the earth started to cool down a little bit and the atmosphere started to build, and first simple forms of life prang up. All this is reflected in the music: The Hadean / Archaean part of the disc is raw and brutal, continuing where 'Aeolian' left off, with a basic instrumentation of drums, bass, guitars and vocals. The Proterozoic part of the disc is much more multi-layered and complex, more mellow and vast, still crushing and heavy for the most part, but with plenty of atmospheric moments that give the listener space to breathe in between the eruptions.

4 – Lyrics (influences, themes, messages) and the main lyrical concept of this record:
The Precambrian was a time before life on earth. Apparently, it doesn't make much sense to write about nothing but rocks and volcanic euprions, so we did not stick to the album theme in an overly strict way. There are still certain references and metaphors going back to the Precambrian theme, but the lyrics essentially address human issues.
There isn't the overall lyrical concept on the album, but what ties everything together are Lautréamont's Chants of Maldoror, which is certainly the biggest lyrical influence on this album. The Chants are so full of spite, passion, dark irony and profound hatred of man and his virtues, so to speak, that we realized our album could be kind of a soundtrack to them. So it was only natural to try and fit some of those blasphemous words onto the music, and we ended up having two songs exclusively employing entire passages of the Chants: »Mesoarchaean« and »Neoarchaean,« both on »Hadean/Archaean.« There are more parts here and there and in addition, the booklet of »Proterozoic« is interspersed with quotes from the Chants, some of them using great oceanic imagery: »You will not in my last hours, find me surrounded by priests. I want to die lulled by the waves of the stormy sea.«
But it's not just Lautréamont; the song »Mesoarchaean,« for example, is actually a poem by Baudelaire. Nietzsche's »Untimely Meditations II« have left their mark on the song »Rhyacian«, and the song »De Profundis« is a poem by Georg Trakl.

5 – Album frontcover / artwork (who, why, meaning, …):
The cover depicts magmatic bubbles, black lava printed in UV gloss on a lavish digipak with physically cut-out diecut holes, through which you see the booklets shining through, with more images of black volcanic rock, creating the impression of depth. When you slide out the booklets, you see red glowing lava shining thorugh those diecut holes.
The artwork was done by Martin Kvamme, once again. Working with Martin is simply amazing. He is such a creative and talented artist, I guess there's nobody else like him out there. He perfectly understands where we're coming from and does his best to satisfy us, and realize his own artistic vision at the same time. We admire all of his works, and what we really like about him is that he doesn't have one particular style. He is extremely versatile and can do everything and adapt to a concept and really push it and develop it. You never know what to expect when you work with him, but we have ben very pleasantly surprised every time. As always, we wanted the artwork to reflect the overall atmosphere of our music. And after the great job Martin had done on Aeolian, it was only natural to ask him again.

6 – Musicians / Guest Musicians (26!):
Yeah, there's a huge number of guest musicians on our album. For example, we've got Tomas Hallbom from Breach again, singing a duett with Rene Nocon, an singer rather unknown outside of Berlin, on »Stenian.« Then there is Nate Newton of Converge appearing on two of the »Hadean/Archaean« tracks. There is Caleb Scofield of Cave In on the track »Orosirian,« together with our new main vocalist Mike Pilat. There is Eric Kalsbeek of Textures singing the song »Mesoarchaean.« We also had the honor to work with pro-musicians from the Berlin Philharmonic Orchestra.

7 – Musical and other kind of influences:
The range of musical influences among our band members is pretty wide. We do have some common denominators, though, such as Breach, Refused, Neurosis, Meshuggah, or Godspeed You! Black Emperor. Apart from that, you can find pretty much everything in the band: we've got fans of Old-school Hardcore, Dub, Black Metal, Electronica, Classical music, Grindcore, etc.
And then there's a couple of non-musical influences as well. We've talked about the French symbolists already, or two of them; then there's people like Edgar Allan Poe for example, whose »The City in the Sea« was the basis of our song by the same title; then there's our »Austerity«, which was inspired by Bertolt Brecht (both songs off Aeolian). Surrealist poetry also had quite an impact on our lyrics. The works of Andre Breton might be the basis for our next album, but we'll see...

8 – Metal Blade Records:
The cooperation with Metal Blade started after we parted ways with our previous label. We checked out a couple of alternatives, talked to people here and there, and went for Metal Blade, whose offer was by far the most interesting one. And we don't regret it; Metal Blade has been supporting us ever since and never tried to encroach in our artistic freedom. They have never interfered with our recording processes or otherwise tried to take control over where the whole project is going.

9 – Tour to promote the record:
We've just returned from a European tour with Intronaut, which was awesome, and we'll be on tour again in March with Rotten Sound and Victims, which is gonna be a great package; hands down the most unusual one we've been part of so far. After that we will play a week of headliner shows in France and then go to Eastern Europe including Greece and Russia, before going to the US in May. We will spend the better part of 2008 on the road.

10 – Final Message:
Never forget that Precambrian is just one of five albums we've put out so far. Check out the other ones too, Fogdiver for example, to get an idea of the entire range of what The Ocean is capable of!
-
Questions: RDS
Answers: Nils (visuals)
-
Metal Blade: www.metalblade.de

Tuesday

Umeed - Entrevista

1 – Umeed (curta biografia, pontos altos, discografia, etc):
Os UMEED são uma banda que acredita e aposta no Rock, numa época em que cada vez mais esta sonoridade se afasta das rotas comerciais apoiadas pelos media. Nasceram em Fevereiro de 2001 e percorreram estes anos a afinar o seu estilo, de forma a obter um som melodioso e ritmado bem patente no seu actual trabalho. Como ponto alto, os elementos destacam unanimemente o concerto de apresentação do álbum Hustle and bustle, por ter sido o culminar de uma etapa importante de criação que marcou o lançamento oficial dos UMEED. A nível internacional, destacamos as presenças nas compilações DEAD FAMOUS Vol. 5 (Astral Records – Austrália), THE BIG INDIE COME BACK Vol.3 (MatchBox Recordings – UK), na sonorização do DVD do campeonato mundial de Trial de 2006 e como banda destacada pela revista americana Medium Point. Para Janeiro de 2008, temos já a confirmação que seremos banda destacada na revista de música Alternative Addiction, no Canadá.

2 – “Hustle and Bustle” (processos de composição e gravação):
Em 2003, os UMEED fizeram uma primeira experiência “caseira” de 12 músicas. Em finais de 2006, gravaram o álbum Hustle and bustle que seria o CD de apresentação da banda. Para nós, Hustle and bustle é muito mais do que uma compilação de 9 músicas. Hustle and bustle resulta da feliz união de músicos, letristas, amigos, fotógrafos, designers e um pintor (Neves Oliveira) que tornou físico todo este mundo de sons, como se pode observar no nosso website (http://www.umeed.net/) onde cada música aparece representada em tela.

3 – Letras (influências, temas, mensagens):
Todo o universo retratado nas letras, remete para uma vivência que oscila entre o desespero e a esperança de um mundo sem rumo tendo como princípio “lutar, sempre lutar” para afirmarmos a nossa existência. Como ouvintes, na fase da adolescência, ficámos cativados pelo mundo da música e de toda a cultura associada. A ideia de conseguir transmitir sentimentos e emoções através da conjugação de melodias e harmonias foi algo que desde o início nos fascinou e que nos motivou a perseguir o sonho de criar um projecto que pudesse chegar às pessoas e criar nelas essas sensações agradáveis que nós sentíamos quando ouvíamos os nossos ídolos.

4 – Capa do disco (quem, porquê, significado, …):
Os UMEED não são apenas as 4 pessoas que aparecem em palco. A capa do disco Hustle and bustle resultou de um longo processo de criação, levado a cabo pelo pintor Neves Oliveira que trabalha connosco. A nossa visão musical, as mensagens inscritas nas letras e a interpretação pessoal de Neves Oliveira deram origem ao tema principal da capa do CD. Com uma perspectiva de um ponto alto, pretendeu-se mostrar a confusão, a azáfama que existe dentro de cada um de nós.

5 – Influências musicais e outras:
Em termos musicais, as influências vão desde dEUS, Portishead, The Clash, Bill Evans, Radiohead, Placebo, Muso… Fora do universo musical, cada um dos elementos dos UMEED possui uma formação muito diferente o que acaba por ser decisivo na forma como compomos em grupo, reflectindo-se no resultado final do trabalho.

6 – Edição de autor do disco:
Actualmente, os UMEED têm um contrato de distribuição digital dos 9 temas que constituem o álbum Hustle and bustle com a LAD Publishing and Records. Não temos contrato de distribuição física dos CDs, vendemo-los nos concertos e a todos os fãs que nos contactam via email a partir do nosso website.

7 – Concertos de promoção ao disco:
Para 2008, já está a ser programada um tour nacional e um novo álbum com edição esperada no final do Verão.

8 – Mensagem final:
O espírito da banda é perseguir os sonhos incessantemente, sabendo que o percurso não será nada fácil.

http://www.umeed.net/ / www.myspace.com/umeedband

Project Creation - Entrevista

1 – O disco anterior “Floating World” já teve o selo da Progrock Records, a qual editou também este novo “Dawn On Pyther”. Como é que surgiu a colaboração com a Progrock?
Surgiu quando terminei o 2º álbum de Sonic Pulsar. Tinha algumas ideias para um segundo projecto que não se enquadravam na sua totalidade em SP. Peguei nestas ideias e enviei para a Progrock Records, que na altura estava com uma enorme visibilidade com as suas mais recentes releases.
Durante uma semana ouviram o álbum, ou as demos se assim quiseres, e depois recebi uma proposta para fazer parte da editora com Project Creation, o que foi excelente.

2 – Fala-me um pouco do processo de composição e gravação deste novo trabalho “Dawn On Pyther”.
Dawn on Pyther beneficiou de uma aprendizagem bastante grande com o 1º cd. Tinha tudo muito estruturado na minha cabeça, desde a composição até ao mix final.
A maneira de eu trabalhar é muito pensada e faseada. Começo com alguma ideias, que em 80% dos casos surgem através de simples melodias no synth e depois alio-as a ideias para a história e a coisa vai-se construindo e encaixando-se. Depois de ter as bases bem definidas passo para a gravação propriamente dita da minha voz, guitarras e baixo. Em paralelo envio as ideias principais para os músicos, para que estes possam ir gravando as suas partes e, no caso dos vocalistas, possam integrar-se no estilo do álbum. Depois é agendar com eles as gravações no meu estúdio. Entretanto vou sempre melhorando os mixs e melhorando as composições conforme necessário.
No final é o trabalho mais difícil e que não gosto tanto pois é muito stressante, estou a falar da mixagem. Terrível, no caso da 1º faixa Dawn on Pyther. Foi difícil, e só descansei quando ficou como queria, ou pelo menos a 99% (risos).

3 – Descreve o conceito lírico do disco, o qual iniciou no anterior “Floating World”, e terá o seu seguimento num próximo álbum.
O conceito e história pretendem atingir duas metas. A 1ª é que todos nós podemos ser criadores de outros seres e todo o álbum fala de 2 coisas, a vida e a morte, a luminosidade e a escuridão. Mas a vantagem vai sempre para o tema da criação e da vida. Pelo meio dou sempre umas ‘trancadas’ no modo de vida que vivemos, que na minha opinião é um modo de sobrevivência e não de vida. Nascemos, trabalhamos para sobreviver e depois temos um tempo para gozar os últimos anos de vida. Pode parecer muito obscuro mas é a realidade. A sociedade está construída desta forma pouco acolhedora, virada para o consumismo, para o lucro dos grandes e para a miséria e a guerra. É o que vemos todos os dias.
Não quero com isto dizer que acho que tudo é mau na vida, claro que não, e a música é um exemplo de algo de positivo e que pode mudar muita coisa, mas o Mundo podia ser bem melhor. O meu Mundo em Project Creation é isso mesmo. Todos fazem o que querem e aquilo para o qual estão vocacionados. Mesmo o sonho mais impossível, o da libelinha mecânica tornar-se humana, vai ser uma realidade no 3ª álbum a aparecer futuramente.

A segunda meta é a de simplesmente explorar um universo de ficção, escrever uma história e dar vida através da música. A meu ver a história de base tem elementos muito originais na abordagem que faz, mas a premissa de base não será assim tão nova. O Arthur C. Clarke já fez algo do género com Rama, temos o filme Dark City com uma cidade no espaço, ou seja, já quase tudo já foi inventado, o que pretendo é reavaliar os conceitos já escritos e redefinir a música e mesmo os filmes, através de Project Creation. Não pretendo ser o mais original, mas sobretudo inovar e revisitar temas já abordados.

4 – Além do conceito lírico, há também todo um trabalho muito cuidado em relação à apresentação do disco. A capa (e todo o livrete) é sensacional. Quem foi responsável pela arte gráfica? Estabelece um paralelo da arte com o conceito lírico.
Sou muito meticuloso no grafismo. Tem de estar tudo como pensei numa espécie de storyboard. A grafista genial é a Marie Guillaumet, em Aenemya.com
Gostei imenso do que ela fez e me mostrou com os protótipos, e a partir dai começou a colaboração.
Eu queria algo muito etéreo mas ao mesmo tempo terra-a-terra. Como deves ter visto, cada música tem o seu grafismo. A música todos a podemos ouvir e imaginar, mas que tal ver o que o grafista e o músico pensaram para a arte gráfica? Só pode ser bom e complementar o trabalho de som e de composição.
Fiquei muito satisfeito com os gráficos, estão de facto óptimos e a capa até mostra um cheirinho que está para vir no 3º álbum!

5 – Além disso há também vídeos preparados para temas deste e do anterior álbum. Isso está pronto? Que podes adiantar acerca desses vídeos? Tendo em conta que não serão vídeos a rodar na TV Portuguesa (nem mesmo nos canais de cabo), e que não foram incluídos nos CDs, como poderemos ter acesso aos mesmos?
Vou lutar para que os vídeos passem na TV, pelo menos na Sic radical, Mtv Portugal. Senão, temos sempre a net que hoje em dia é digamos o canal privilegiado para bandas que não sejam das editoras majors, ou seja, a maioria, pelo menos das que têm contrato discográfico.
No final deste ano vamos ter o vídeo do Floating World pronto, com som em 5.1 e uma apresentação inédita em Portugal via vídeo totalmente em CGI. Este vídeo demorou cerca de 2 anos a fazer, é todo em digital, e apresenta a história completa do 1º álbum. É muito muito ambicioso.

Estamos igualmente a preparar o vídeo com a Zara, que está a ficar muito porreiro também. Já estamos a meio da edição. Este será mais real combinado com algumas cenas em 3d.

6 – Fala-me um pouco dos músicos convidados neste disco. Quem são, como surgiu a sua colaboração, e qual foi o seu contributo ou “mais valia” para o resultado final.
Olha, em termos de voz a Zara é fenomenal. Já ouvi muita coisa, Zara ainda não tinha ouvido (risos). O Tiago ‘Linx’ continua a ser um dos meus vocalistas favoritos. A voz é excelente e não só a voz, o poder que ele tem para criar melodias, aliá-las a ritmos improváveis e gravar é genial e é uma mais-valia para o álbum. Há diversas ideias dele no álbum.
Uma palavra também para o Paulo Pacheco que, com menos anos de música que o Linx, muito bem soube agarrar os temas e pode-se ver por Forgotten Suns actual, tem uma óptima voz para Prog Metal.

Paulo Chagas é músico de eleição. Desta vez não apenas fez grandes melodias e solos de sax e flauta, como gravou e compôs a ultima parte da Voyage of the Dragonfly.
O Davis Raborn é uma novidade, e lida com a bateria de um modo muito prático. Ouviu as demos, e gravou por cima, com o seu toque pessoal ultra potente.
Depois temos o Vasco, cujos solos de guitarra continuo a invejar (risos) e o Fred Lessing que teve a ideia espectacular para o início da Flying Thoughts (faixa 2) e que mudou o rumo dessa música, para melhor obviamente. Estou a colaborar com ele no seu próximo álbum, onde participo com algumas vozes.

7 – Além de Project Creation, em que outros projectos é que andas envolvido actualmente? Que é feito dos Sonic Pulsar? No website há alguns temas soltos de outros projectos e/ou experiências anteriores. Pensas levar isso adiante e até editar esse material no futuro?
Olha, recentemente tive uma súbita vontade de começar algo novo e cortar durante uns meses com a extrema complexidade de PC. Assim, estou a gravar um álbum mais gótico, rock electrónico e mais simplista na abordagem musical. Devo colaborar com uma vocalista Sueca, mas para já ainda não posso revelar detalhes. Mas dentro de uma semana vai aparecer no nosso myspace e site oficial em sonicpulsar.com.
Sonic Pulsar está um pouco parado, porque PC é como que uma evolução de SP, ou seja Project Creation como que engoliu Sonic. Mas temos já letras e músicas para o 3º álbum de SP, mas não será para já.
Para além disto tudo tenho colaborado com o Fred Lessing e num tributo a Carlos Santana a ser editado pela Mellow Records, aliás penso já ter saído para o mercado. Deve estar em mellowrecords.com
Também iniciei um projecto puramente de metal, chamado Dimensions, mas primeiro quero concretizar o de rock gótico e iniciar o 3º Creation.
Também participei com uma música num projecto chamado Ghost Particle.

8 – Quais são as tuas influências musicais, cinematográficas, literárias, e outras, tanto neste Project Creation como nos teus outros trabalhos?
Eu tento ao máximo não ter influências, ou pelo menos não pensar nelas quando componho. Mas quando ouço a intro do Dawn on Pyther, não posso deixar de me lembrar do filme Mulholland Drive, cuja música foi feita pelo Angelo Badalamenti. Grande! Assim, como em tudo na vida, somos sempre influenciados por isto ou aquilo, e as nossas próprias influências são elas também por sua vez influenciadas. É um ciclo, ciclo esse onde se deve se reinventar ao nível da originalidade. Para dar nomes, e em termos de cinema, Stanley Kubrick, Andrei Tarkovsky, David Lynch e David Cronenberg, Alex Proyas, John Carpenter. Os filmes são 2001 Odisseia no Espaço, Solaris, Mulholland drive, Star Trek, Dark City, entre outros.
No campo literário, tenho menos tempo para ler, mas diria Stanislaw Lem, Arthur C. Clarke, Jean Christophe Grangé.
Tenho lido muita BD e novelas gráficas de mistério e horror: Steve Niles, Neil Gaiman, Scott Hampton,…
Na música será Devin Townsend, Angelo Badalamenti (trabalha muito com David Lynch), Dream Theater, David Arkenstone, entre outros.

9 – Como vês a cenas Progressiva, Rock e Metal actuais? Que comparações fazes com o passado? Que novas bandas (ou “velhas”) e discos tens ouvido actualmente e que queiras recomendar?
A Internet e a maior facilidade em gravar, está a criar um mercado enorme para os estilos progressistas o que se revela excelente para quem tem talento e quer mostrá-lo. Isto como sendo o lado positivo. Como negativo, há demasiada oferta, demais para o mercado actual, e vemos muita coisa feita sem grande qualidade. Depois temos outras que se destacam, mas que podem ser mais ou menos ofuscadas pelas produções menores que abundam. É bom e mau a meu ver, não tenho uma opinião certa a este respeito.
Vejo cada vez mais bandas a fazer o mesmo, tanto no campo do prog metal como do prog rock mais tradicional. Sempre os mesmos ritmos, estruturas, clichés. É o que ouço, Mas há sempre aquele projecto ou aquela banda que ainda me surpreendem, e ouço isso tanto nas rádios online de progressivo como em locais grandiosos como o myspace. O fenómeno myspace é algo a estudar, porque não é um espaço para projectos não editados, bem pelo contrário, é sobretudo para os grandes projectos. Depois também vemos outros com menos possibilidades, e tenho sido agradavelmente surpreendido por aquilo que encontro, tanto ao nível da música como do vídeo e grafismo. Encontrei, inclusive, um grupo de comediantes nos US absolutamente fantásticos, pouco conhecidos, ao nível dos Monty Python ou dos nossos Gatos.

Tenho ouvido várias bandas da Progrock Records, como Ghost Circus, Joey Vera, e depois muito Devin Townsend, algum Ayreon, entre outros. Agora comecei também a ouvir o novo som dos antigos Europe! Bastante bom e forte, nada a ver com os 80’s.

10 – A mesma questão, mas agora em relação à cena musical Portuguesa. Novas bandas, discos e outros. Comparações do presente com o passado.
A cena Portuguesa de prog é quase inexistente infelizmente. Não há bandas ou projectos em número suficiente para que haja de facto um género progressivo bem patente. Não ouço nas rádios géneros de música mais desafiantes, apesar de algumas incursões em rádios mais modestas. Há de facto poucos mas felizmente óptimos programas dedicados ao género e que passam progressivo. Falo do País relativo na RUA, Metalmorfose, Circulo de fogo, programa FEEDBACK na rádio de Santa Maria da feira, entre outros,…
Não posso apontar novos discos (2007) que sejam genuinamente de um género que considere rock ou metal progressivo, em Portugal, à parte um ou outro projecto menos divulgado.

11 – Podes deixar agora uma última mensagem, o espaço é todo teu.
Quero deixar uma mensagem que muitos vão achar como sendo contra a Internet e os tempos modernos, mas não é. Ora bem, há imensos blogs, sites de sharing, onde milhares de cds são trocados. No outro dia encontrámos um site com mais de 200 downloads do último álbum de Project Creation… e, sabem uma coisa? O álbum ainda nem sequer tinha saído. Isto foram 200 downloads numa semana, imaginem num mês… Project Creation e produções recentes poderiam vender muito mais, e já sabem qual é o problema….Os donos desses blogs e sites dizem que fazem um favor à música ao ajudar as labels mais pequenas e destruindo as chamadas Major. Pois meus amigos, desenganem-se, estão literalmente a matar as labels e projectos independentes. Vejam a Lion Music que já não aceita novas bandas. As vendas REAIS de Sonic Pulsar e Project Creation são baixíssimas. O meu investimento na música não será, a médio prazo, recuperado. Por isso, a net muito bem, é boa, não viveria sem ela hoje, mas por favor, ouçam os samples, ou 2 mp3s e depois COMPREM OS CDS, só assim poderemos sobreviver. Eu e todos agradecemos, e é a única forma destes géneros mais diversos poderem sobreviver. Não se esqueçam, um cd tem música e gráficos, mas podem comprar só a música por metade do preço em Mindawn.com por exemplo ou noutros sites de dowloads, há sempre uma solução para apreciar a música e lutar para que esta continue a ser produzida.
Um abraço aos amigos e fãs, e em especial para a Fénix que tem sido 5***** ;)

Hugo Flores
SonicPulsar.com

http://www.sonicpulsar.com/ / http://www.progrockrecords.com/

Friday

Der Blutharsch – The Philosopher’s Stone (2007) – WKN / Tesco Distribution

Depois de um disco ao vivo (“Live In Copenhagen” 2006, WKN / Tesco) eis que os Der Blutharsch surgem com novo trabalho de estúdio. “The Philosopher’s Stone” é um disco que faz a fusão de Dark Folk, NeoFolk, Martial e Rock Gótico, quase sempre com um orientação mais roqueira que os seus pares. Negro, obscuro, intenso, enérgico, é assim o ambiente deste trabalho. Além dos músicos integrantes (Marthynna, Jörg B., Bain Wolfkind e Albin Julius) há ainda participações especiais de Christine R. (clarinete) e de Matt Howden (violino) em uma faixa cada. Mais uma obra essencial na carreira destes Austríacos. Segundo parece, vão dar por encerrada a sua carreira após 10 anos de a terem iniciado, inventado o Military Pop e terem-se tornado um dos nomes mais influentes da cena Dark / NeoFolk / Martial. Será verdade? Se assim é, o canto do cisne é, sem dúvida alguma, o mais belo de todos! 90% http://www.derblutharsch.com/ / http://www.tesco-germany.com/
RDS

Bain Wolfkind – Wasteland EP (2007) – Hau Ruck! / Tesco Distribution

Este é já o 4º trabalho a nome próprio do Austríaco Bain Wolfkind (baterista / vocalista de Der Blutharsch). Trata-se de um MCD com 4 faixas numa linha Dark Folk / Neofolk. Este “songwriter” sombrio auxilia-se de uma guitarra para criar a sua música, utilizando por vezes órgão, pandeireta, maracas e pouco mais, apenas para dar mais alguma cor (outros tons de cinzento, entenda-se) ao resultado final. A música, essa, é negra, soturna, melancólica, depressiva, decadente. Como vem referido na nota de imprensa “pensem em Leonard Cohen, Townes Van Zandt, Steve Young, Hank Williams e Michael Gira numa pensão Mexicana com uma guitarra barata, uma caixa de tequila e um gravador de cassetes”. Nenhuma destas faixas ficaria desenquadrada num filme de Quentin Tarantino ou numa sequela de “Aberto Até De Madrugada” (“From Dusk Till Dawn”). Isto é bom, muito bom, mas sabe a pouco! Nem aos 12 minutos chega! Tenho que ir procurar os seus trabalhos anteriores imediatamente! Se forem assim tão bons quanto este “teaser”… Para fãs de Leonard Cohen, Nick Cave, Death In June, Current 93, Sol Invictus, Hank Williams, Michael Gira, In Gowan Ring. 95% www.myspace.com/bainwolfkind / http://www.hauruck.org/ / http://www.tesco-germany.com/
RDS

Thrudvangar – Zwischen Asgard Und Midgard (2007) – Einheit Produktionen

Terceiro disco para os Teutónicos Thrudvangar. Pagan Metal de contornos Black é o que nos é apresentado nos 8 temas de “Zwischen Asgard Und Midgard”. Pessoalmente, gosto mais de um Pagan Metal mais limpo, melódico, com muita influência Folk e até Doom, não me inclinando muito para esta vertente mais “pesada”. No entanto, este disco tem os seus pontos de interesse. Há por aqui algumas boas ideias de guitarra, ambientes épicos bem conseguidos, melodias cativantes e trejeitos Folk a apimentar a coisa. Destaco os meus temas favoritos “Runenstein”, “Swei Raben” ou “Heimwärts”, que estão mais direccionados para as já referidas vertentes da minha preferência. Fãs “diehard” do género irão gostar com certeza. Os outros, esses poderão encontrar motivos de interesse nos Thrudvangar se apreciam o trabalho de nomes como Bathory, Nightfall, Rotting Christ, Misanthrope, Moonsorrow ou Primordial, p.ex. 75% http://www.thrudvangar.com/ / http://www.einheit-produktionen.de/ / http://www.archetype-promotion.de/
RDS

Neaera - Interview

Neaera (meaning of the name, short bio, discography, highlights, …):
Neaera is a whore in Greek History. She was slaved and gained her freedom after a while. That’s the short version.
We chose the name because it looks cool and the dramatic story behind it is a good background for our critical lyrics and brutal sound.
We founded in 2003 and released 3 albums. The Rising Tide Of Oblivion, Let The Tempest Come, Armamentarium.
We did a lot of shows and tours within the last three years. We toured with Bands like As I Lay Dying, Kataklysm or Caliban and played some cool festivals like Wacken and With Full Force.
-
“Armamentarium” (rehearsing / writing process, recording process, label, …):
We wrote the album within a couple of months. The songs are written by the two guitarists Tobi and Stefan and the drummer Sebastian. We usually meet in the rehearsal room once a week and jam around with some ideas the guitarists come up with.
The lyrics are written by our singer Benny, Stefan and Benjamin our bass player.
We recorded Armamentarium again in the Danish Hansen Studios.
Jacob the producer did a great job on our last Album, so we decided to work with him again. Benny our singer recorded the voice together with our friend Ali Dietz from Heaven Shall Burn in the Rape of Harmonies Studios in Germany.
This is our third album on Metal Blade records.
-
Lyrics (influences, subjects, ideas, messages, …):
The lyrics criticize mostly social and political aspects of the world today.
We have also a few personal texts dealing with inner conflicts and grief and the individual problems of our time.
-
Album frontcover / artwork (who, why, meaning, …):
The entire artwork and cover was done by the great Norwegian artist Terje.
It expresses the social isolation of the individual. A topic stressed for example in the Title Track Armamentarium.
-
Live tour to promote the new record:
We already did a German and south European tour to play the new songs and promote the new album. Both went great and showed us the live potential of the new songs.
It`s amazing to see that after such a short while people sing along with the new stuff.
Musical (and other) influences:
-
On Armamentarium we decided to slow down the tempo a bit and add more groove.
I think Bolt Thrower or Morbid Angel was an important influence on that one.
-
Metalcore / Deathcore. Your opinion:
Decide yourselves! I don`t know. Is this important? And ain`t that the same?
-
Final Message:
Thanks for your interest. Stay brutal!
-
Questions: RDS
Answers: Sebastian (drums)
-

Thursday

Infected Records DIY

A Infected Records DIY é uma editora independente lusa e, tal como o nome pode indiciar, apoia-se na ideologia “do it yourself” (faça você mesmo), tendo como orientação o Punk e o Hardcore. A maior parte das suas edições são demos e EPs em CD-R com capas fotocopiadas (a cores), tendo ainda alguns lançamentos conjuntos com outras editoras. O João Alves da Infected enviou-me algum material que passo em revista a seguir.

Inicio com “Estaca Zero!”, demo dos Portugueses Zero À Esquerda, datada de 2005. São 5 temas com influência directa de Censurados, Peste & Sida e K2O3. Punk sing-a-long com carácter interventivo e muito humor à mistura (a fazer lembrar as bandas já citadas). Há ainda tempo para um tema Ska (“E Tu A Vê-lo Fugir”) e outro Reggae (“Curtir Até Cair”). As letras são muito simples e algo “naive” até. Gosto disto mas com algum cuidado adicional nas letras ficava ainda melhor. 65%

Seguem os Sat On The Cat com “Once we went to the Ritz Club to see Murphy’s Law but they didn’t show up” (2007). EP com 3 temas originais e uma versão de “Spaceman” dos Babylon Zoo. Punk Rock speedado mas melódico linha Satanic Surfers, NOFX, Lagwagon, e outros que tais. Também com muito humor à mistura. Gosto muito da parte instrumental mas, tal com a banda anterior, as letras são muito simplórias. Se há alguma dificuldade em escrever em inglês, então mais vale ficar escrever e cantar em Português. A versão já referida é que era algo escusada. Qual é afinal a “mística” deste tema? Já não é a primeira vez que ouço uma versão do mesmo. Além disso, nem a roupagem apunkalhada que aqui se encontra o safa! 65%

“Anthems From The Cities” (2007) é um EP que reúne os Finlandeses Flippin’ Beans (www.myspace.com/flippinbeans) e os Portugueses Decreto 77 (www.myspace.com/decreto77). São 3 temas para cada uma das bandas. Segundo parece os Flippin’ Beans deram por encerrada a sua curta carreira há bem pouco tempo. É pena! O seu Punk Rock rápido e melódico linha Pennywise é bem interessante. Bad Religion, Descendents, The Living End e outros que tais também podem ser apontados como influências. O tema “Die Die Die” é uma fantástica malha de Punk Rock melódico. Mais uma vez, é pena a separação. Os Decreto 77 andam numa linha mais velha escola que tanto vai beber à linha mais melódica como ao Punk 77 ou ao Hardcore straight-edge e Norteamericano em geral dos 80s. Poison Idea, Circle Jerks, Minor Threat, Teen Idles ou Mata Ratos, por exemplo, vêm à memória. Gostei muito mas soube-me a pouco! Esta é uma edição conjunta com a Finlandesa Fast Rock Factory (http://www.fastrockfacytory.fi/). 85%
Entramos agora no material vindo do estrangeiro. Os Skarmento (http://www.skarmento.com/) são Galegos e este é o disco “Musica Anti-Sistema” (2006), uma edição conjunta da Infected com mais 9 editoras europeias. Sempre gostei muito do Hardcore Galego. Bandas como Mol, Me La Pela, Dirty Barriguitas, Fame Neghra, etc, fizeram a banda sonora de uma adolescência imersa no Underground deste vosso amigo. Os Skarmento fazem-me lembrar esses tempos. Hardcore rápido mas com alguma melodia e alguns toques Punk Rock tipicamente Espanhol. A maior parte dos temas são vocalizados em galego. Fantástico! O melhor disco desta fornada. Entre uma introdução e 12 temas originais há ainda tempo para 3 versões. Uma é “Santiago de Chile”, original da qual não sei a quem pertence. Na ficha do disco aparece creditada a Sílvio Rodriguez. Há ainda letras adaptadas para temas de The Exploited (“Punk’s Not Dead” transformada em “Muerte Al Rey”) e Cock Sparrer (“Están Ardendo as Rúas”, não consigo identificar o original). 90%

Hate Is Just A Feeling (http://www.hateisjustafeeling.com/) é uma banda Sueca que viu este “The Road To Kingdom Come” (2007) lançado pela Infected em parceria com a Britânica Record Rebellion (www.myspace.com/recordsrebellion). 12 temas compõem este álbum pleno de temas Hardcore com toques Folk-Punk e Streetpunk. Pode-se apontar nomes como Dropkick Murphys, D.O.A., Rancid, Roger Miret & The Disasters, Bouncing Souls, Murphy’s Law ou outros. Não é do melhor no género, mas até se ouve bem. Já tenho ouvido muita coisa má nesta linha mas este safa-se. Um novo trabalho deve vir melhor. 70%

Junto com as edições Infected foi-me enviada também uma Demo dos Belgas Gino’s Eyeball (http://clix.to/ginoseyeball). São 3 temas de Punk Rock melódico linha Satanic Surfers, NOFX, Lagwagon e outros nomes da Fat Wreck Chords ou da Burning Heart dos inícios. Mais do mesmo, portanto. Não é mau, pelo contrário, está bem feito, mas é cliché demais para o seu próprio bem. Além disso, o som nesta Demo não é dos melhores. Isto tudo a propósito da Infected estar a preparar a edição do disco de estreia desta banda para 2008. Aguarda-se o disco então. Pode ser que um som melhor e um pouco mais de experiência nos proporcione algo melhor. 60%

Ufa! Finalmente o último CD! Este é mais fácil de criticar. Trata-se de uma compilação em CD-R. Contém 21 temas para o mesmo número de bandas. É a típica compilação de editora que dá a conhecer as bandas com quem esta trabalha ou trabalhou. Desde o Punk 77 ao Hardcore mais “old school”, do Punk Rock melódico ao Streetpunk, passando pelo Post-Hardcore, há um pouco de tudo. Este nem leva pontuação.

Infected Records DIY: www.myspace.com/infectedrecordsdiy

RDS

Friday

Mikey "Offender" Donaldson - R.I.P.

Mikey "Offender" Donaldson passed away in his sleep on September 22 in Barcelona, Spain where he had recently relocated from Amsterdam. The cause is unknown at the moment. He was 46. He is survived by his brother Joe Donaldson, sister Marie Donaldson Ward, and sister Sumiko Hakari.
Mikey was the bass player for Austin punk band the Offenders from 1978-86. He also recorded bass tracks on MDC's groundbreaker "Millions ofDead Cops" and DRI's "Dealing With It." Mikey also performed regularly with MDC in the early 1980s. He moved to San Francisco in 1986 and went on to play and record with Gary Floyd (Dicks) and Lynn Perko (Imperial Teen) in Sister Double Happiness. After leaving the music scene for ten years or so, Mikey returned to Austin and reunited with the original Offenders line-up for a gig at Emo's in March 2002. In 2003 MDC recruited Mikey and their original line-up, recorded a new album, and have been touring all over the world ever since.
Mikey is universally regarded as one of the most innovative and inimitable masters of the bass guitar. He played his Rickenbacker like itwas a out-sized rhythm guitar. Taking cues from Jack Bruce and Lemmy, Mikey pioneered an aggressive speed-picking style and liberal employment of bass chords that few have been able to emulate in the past 20 years. He will be sorely missed, certainly in Austin and his hometown of Killeen, but also across the globe. A memorial celebration in Austin is pending and the date will be announced soon.
R.I.P.

Paul Raven - R.I.P.

MINISTRY bassist Paul Raven was found dead (Saturday, October 20) in a private home in a small French village on the Swiss border after suffering an apparent heart attack. He was 46. Raven (who is also known for his work with KILLING JOKE and PRONG) was in Geneva working with French recording artists TREPONEM PAL on their new release alongside drummer Ted Parsons (PRONG) and members of THE YOUNG GODS.
Born in Wolverhampton, UK on January 16, 1961, Paul Vincent Raven established himself with his work in the seminal post-punk/industrial act KILLING JOKE after he replaced the band's original bassist in 1982, recording and touring with the group throughout its most commercially successful period, performing on "Fire Dances", "Night Time" and "Brighter than a Thousand Suns". Throughout his extensive career, Raven participated in other collaborations, including PRONG, MURDER, INC., PIGFACE and GODFLESH. Most recently, Raven was nominated for a 2006 Grammy for "Best Metal Performance" for his work with MINISTRY's Al Jourgensen, with whom he had begun collaborating in late 2005 on the MINISTRY release "Rio Grande Blood". After a 2006 world tour with the group, Raven helped Jourgensen and PRONG's Tommy Victor pen the latest MINISTRY CD, "The Last Sucker", which is also the band's final studio release.
R.I.P.

Umeed – Hustle And Bustle (2007) – Edição de Autor

Os Umeed são Portugueses e este é o seu trabalho de apresentação. São 9 temas de Rock musculado e melódico, por vezes a roçar o Emo, e com algumas reminiscências de Grunge. Gostei do que ouvi. Há aqui boas ideias, boas guitarradas, muita melodia e um certo feeling próprio de quem gosta do que está a fazer. Música feita com alma. Algo que faz falta a muitas das bandas, projectos e edições hoje em dia em Portugal. Com tanta música plástica a bombardear-nos todos os dias na TV e rádio, boys e girls bands saídas de programas de TV para adolescentes, bandas pré-fabricadas pelas editoras, etc, é sempre bom ouvir algo deste género. Material que irá agradar aos ouvintes de música mais alternativa mas que detém também um grande potencial comercial. Onde andam as editoras? Não é nada de novo, original ou transcendental, mas gostei do que ouvi e, com certeza, um segundo trabalho será muito melhor. Para já, este agrada. Influências e referências, se necessárias, podem ser Muse, Live, A Perfect Circle, Porcupine Tree, REM e Alice In Chains. 70% http://www.umeed.net/ / www.myspace.com/umeedband
RDS

Project Creation – Dawn On Pyther (2007) – Progrock Records

Hugo Flores volta a atacar com o seu Project Creation. Flores faz-se acompanhar, mais uma vez, por diversos músicos, na sua maioria Portugueses, entre os quais Linx (ex-Forgotten Suns), Vasco Patrício (da ptRocker), Shawn Gordon (da editora Progrock) ou Fred Lessing, num total de 10 convidados. O estilo é o mesmo do anterior “Floating World” (ver crítica em http://fenixwebzine.blogspot.com/2007/04/project-creation-floating-world-2005.html), um Progressive Rock / Metal ora com passagens mais roqueiras ora mais atmosféricas, com sons de inspiração étnica, sempre com um ambiente futurista / espacial muito intenso baseado particularmente nos sintetizadores, mas com uma forte presença da guitarra. Todas as participações e os instrumentos “atípicos” (flauta, saxofone, guitarra acústica, etc), além das 5 vozes (3 masculinas e 2 femininas), ajudam muito a criar os distintos ambientes do álbum. Em termos líricos, este disco funciona como uma sequela do anterior. Trata.-se de uma história de ficção científica que irá ser finalizada num próximo disco (as benditas trilogias!). Para mais informações acerca de todo este conceito, visitem o website oficial. E a cereja no cimo do bolo, uma capa deveras fantástica, complementada com um livrete não menos sensacional. Mais um grande disco de Rock / Metal Progressivo feito em Portugal que nada fica a dever ao que vem de lá de fora. Aconselho vivamente! 90% http://www.sonicpulsar.com/ / http://www.progrockrecords.com/

RDS

A Chinese Firedrill – Circles (2007) – Progrock Records

A Chinese Firedrill é um projecto a solo do baixista Joey Vera. Este veterano músico Norteamericano faz parte de Armored Saint e Fates Warning, tendo já passado por bandas como Anthrax, OSI, Tribe After Tribe, Seven Witches, Engine e Chroma Key. Este disco faz jus ao epíteto de “álbum a solo”, visto que Joey Vera toca todos os instrumentos (guitarra, baixo e teclas) e canta. É claro que o homem não pode saber tocar todos os instrumentos, daí a bateria ter sido gravada por Greg Studgio, um amigo do músico. Os 7 temas que compõem “Circles” atingem a marca dos 46 minutos o que, por si, já é de louvar, pois a maior parte dos músicos do género usam e abusam das capacidades dos CDs, tornando-se por vezes monótonos e aborrecidos de tão extensos. Lembram-se dos antigos discos de vinil? Tinham uma duração apropriada de 40/45 minutos. Quanto à música em si, temos aqui um Progressive Rock / Metal de alto calibre, influenciado por nomes como Pink Floyd, Peter Gabriel, Rush, Marillion, Porcupine Tee, Tool, King’s X e, é claro, pelo próprio passado/presente do músico, em particular Fates Warning, OSI e Chroma Key. Algumas passagens mais roqueiras, outras mais melódicas e algumas ambientais ou operáticas até, tudo complementado por uma voz suave e melódica. Um excelente disco de Hard Rock de tendências progressivas que irá agradar aos fãs do músico e das bandas já citadas. 85% http://www.joeyvera.com/ / www.progrockrecords.com
RDS

Lechery – Violator (2007) – Metal Heaven

Disco de estreia para esta banda Sueca Lechery (ora nome esquisito!). A banda foi formada por Martin Bengtsson (voz / guitarra, ex-Arch Enemy, ex-Armageddon), e é completada com Martin Karlsson (baixo), Fredrik Nordstram (guitarra / teclas) e Robert Persson (bateria). O disco foi produzido por Rickard Bengtsson, que já havia produzido as 2 demos da banda, e que já trabalhou com bandas como Arch Enemy, Armageddon e Spiritual Beggars. São 10 temas em quase 49 minutos de puro Heavy Metal com reminiscências do Metal Alemão dos 80s, algum NWOBHM e algum Heavy / Power Sueco dos 90s. O som é potente, tal como se quer no Heavy Metal, mas tem uma melodia constante que cativa. Não é o melhor disco do género, mas que é bom, lá isso é. Uma boa aposta para fãs de Accept, UDO, Saxon, Europe, Hammerfall, Bloodbound, etc. 75% http://www.lechery.se/ / http://www.metalheaven.net/
RDS

Sandalinas – Fly To The Sun (2007) – Metal Heaven

Este é o segundo trabalho, sob esta designação, do guitarrista de origem espanhola Jordi Sandalinas. Novo trabalho, nova banda, nova editora. Depois de ter editado “Livin On The Edge” em 2005 através das Massacre, eis que surge a Metal Heaven para lançar a nova proposta. Quanto à banda, desta feita Sandalinas conta com a ajuda de Rick Altzi (voz, At Vance), Patrik johansson (bateria em estúdio, Yngwie Malmsteen), Mick Cervino (baixo em estúdio, Blackmore’s Night) e Elias Holmild (teclas, Dragonland). Ao vivo juntam-se à banda Álvaro Svanerö (bateria) e Mat Saint (baixo). Além desta banda principal há também participações do teclista Derek Sherinian (Dream Theater) e dos guitarristas Chris Caffery (Savatage) e Andy LaRocque (King Diamond). LaRocque foi também, tal como no primeiro registo, o produtor do disco e responsável pela masterização. Se todos estes nomes não bastarem, juntem-lhes ainda uma capa da autoria de Derek Riggs (Iron Maiden, Gamma Ray, etc). Hard ‘N’ Heavy ora a meio-tempo, ora rápido, mas sempre com muita melodia, e com a ocasional balada roqueira. Excelentes riffs de guitarra, uma voz potente mas melódica q.b., secção rítmica potente. Ao todo são 12 temas em cerca de 48 minutos muito acima da média. Para fãs da faceta mais melódica do Hard Rock e do Heavy Metal. 75% http://www.sandalinas.com/ / www.myspace.com/sandalinas / http://www.metalheaven.net/
RDS

Zero Tolerance #20 – Nov/Dec 07 (Magazine)

Chegou-me às mãos esta semana o novo número da revista Britânica Zero Tolerance. Em termos gerais, a ZT orienta o seu trabalho para o Metal extremo nas suas mais variadas vertentes: Death, Black, Grind. Há ainda ocasionais passagens pelo Thrash, Doom e Sludge, e algum material nas linhas Crust, Industrial e Dark Folk. Inclui as habituais notícias, entrevistas, reportagens, críticas a discos / vídeos / jogos / concertos, algumas secções temáticas (p.ex. arte, cinema ou uma secção para músicos) e um CD gratuito. Tem muito boa apresentação, material bem escrito, muito humor à mistura. Ao todo são 128 páginas a cores recheadas de material das vertentes mais extremas do Metal e não só.
Quanto a este número em particular, passo a identificar o seu conteúdo. A capa é feita com as Japonesas Gallhammer, as quais são incluídas numa reportagem acerca do papel das mulheres na música extrema (com a participação da ex-Swans Jarboe). Outra reportagem aqui incluída é sobre a questão dos downloads na Internet. Bandas aqui entrevistadas são Impaled Nazarene, Primordial, Bestial Mockery, Anaal Nathrakh, Nordvargr, High On Fire, Down, Exodus, Severe Torture, entre outras. Realço ainda uma secção habitual da revista intitulada “Beneath The Remains”, a qual neste número é dedicada ao Crust Japonês.
No CD incluem-se 17 temas que oscilam entre os géneros acima mencionados. Algumas das bandas incluídas são Severe Torture, Vesania, Helrunar, October File, Exodus., Agnostic Front, Soilwork, DAM, Hangman’s Chair ou Gallhammer.
Há umas semanas atrás vi esta revista (era o número anterior) à venda numa papelaria / tabacaria perto de casa. A ZT é, portanto, distribuída e vendida em Portugal. Para fãs de música extrema. O preço? £3.20. Em Euros é que não sei, mas deve andar nos 7 Euros.
-
RDS

Qwentin - Entrevista

1 – Qwentin (curta biografia, pontos altos, discografia, etc):
Qwentin é um todo feito de cinco partes. Cinco cabeças que, quando juntas, formam uma só identidade, um contador de histórias chamado Qwentin. Um viajante, um sonhador que acredita que todas as línguas do mundo são perceptíveis se nos predispusermos a compreendê-las. Esse foi um dos princípios basilares da fundação da banda, em 2003, numa garagem no limite urbano do Cartaxo, cidade onde crescemos. O outro princípio foi a questionável necessidade de refrães: "se a vida não tem refrães; se os filmes não têm refrães; por que razão hão-de as músicas ter partes repetidas só para respeitar uma convenção estrutural que não sequer está escrita em lado nenhum?". Foi, então, no início de 2003, que o Qwentin começou a compor temas sem refrães e em diversas línguas. Às composições foi acrescentado outro pormenor de estilo: a inclusão de elementos (narrativos e/ou musicais) que estimulassem a curiosidade do ouvinte, que o intrigassem, e que desafiassem a sua imaginação. E a ausência de uma "mensagem", de uma "lição de moral" a impingir ao ouvinte.
Daí até ao álbum, foi um longo caminho de quatro anos - com passagens pelo Festival Tejo (em 2003, 2004 e 2005), pelo Hard Rock Café Lisboa (2005), pelo Santiago Alquimista (2005) ou pela Day After (2005), entre tantos outros sítios; e duas passagens pelos estúdios Toolateman (Carcavelos), para gravar 2 EP, que viriam a servir de base de trabalho para o álbum "Première!"; e duas trocas de baterista, em 2005 e em 2006; e de muito trabalho criativo, para criar o inatingível "álbum perfeito" para a "estreia perfeita". Em finais de 2006, a banda reuniu-se num estúdio em Braga - e aí, temperados pelo clima invernoso da Cidade dos Arcebispos e acompanhados pelo produtor Daniel Cardoso, concretizámos esta amálgama de ideias em disco.

2 – “Première!” (processos de composição e gravação):
Depende das situações. As músicas surgem de forma muito espontânea e tanto podem nascer de uma "jam", como de um "riff" carismático que alguem trouxe de casa. Depois funciona por camadas. Quando já temos um "mood", pensamos nas linhas de voz. «Será que este "mood" deve ser cantado?» Se sim, «que fonética de que língua assenta aqui bem?» Cada música é um pequeno filme, e isso influencia muito a forma de pensar as diversas partes do tema, que devem ser musicadas conforme o que está a acontecer no «ecrã mental» de Qwentin, e que, em última instância, toma a proporção de um argumento cinematográfico.
A gravação do Premiére foi uma experiência alucinante. Decorreu ao longo de um mês, de forma sequenciada, no estúdio Ultra Sound, em Braga. Braga é uma cidade apaixonante, com pessoas que te acolhem muito bem e te levam para festas... As vozes femininas dos temas "Uomo-Tutto" e "Il Commence Ici" são de pessoas que conhecemos por lá...

3 – Letras (influências, temas, mensagens):
O Qwentin não tem, propriamente, uma mensagem. A última coisa que estas músicas pretendem é dar lições. São, basicamente, histórias, com princípio, meio e fim, que exploram facetas - umas óbvias, outras menos óbvias - da vida quotidiana, frequentemente sob o ponto de vista de um viajante em permanente busca de novas experiências, novas aprendizagens, novas formas de perceber a realidade.
Basicamente, são inspiradas por coisas tão simples (ou complicadas, consoante o ponto de vista) como a vida, o mundo, a verdade, a mentira, as pessoas que conhecemos.
Quer dizer, é possível que as músicas dêem que pensar ao ouvinte; mas não lhe tentam impingir uma lição, um "modo certo de pensar/fazer algo".

4 – Uso de diversas línguas:
Quando já temos um "mood", pensamos nas linhas de voz. «Será que este "mood" deve ser cantado?» Se sim, «que fonética de que língua assenta aqui bem?»
Para mais, o uso de diversas línguas é um reflexo da crescente europeização e globalização. E depois, porque é que se tem de cantar sempre em Inglês?A tendência dos músicos portugueses foi, em grande parte dos casos, tentar uma aproximação musical à cultura anglo-saxónica. O que acontece é que, exceptuando algumas honrosas excepções, os músicos portugueses nunca foram muito bem sucedidos nessa abordagem. É uma questão cultural que extravasa também a barreira linguística. Os americanos têm o Blues e nós o Fado. Não quer dizer que nós por cá não saibamos rockar, simplesmente temos de assumir um ângulo diferente, mais nosso, e partir daí para o mundo.
Tocar música "global", como nós fazemos, não significa cantar na língua mais global de todas (i.e., o Inglês). Significa fazer música cuja potência artística transcenda as barreiras culturais. Como o Blues, por exemplo.

5 – Capa do disco (quem, porquê, significado, …):
A imagem - gentilmente cedida pelo fotógrafo norte-americano Barry Weatherall - é a expressão visual perfeita do título que já tínhamos, há muito, escolhido para o álbum. "Première!" preenchia diversos requisitos: é uma palavra com significado igual em diversas línguas (apesar de ser uma palavra francesa, sem adaptação); está fortemente relacionada com o mundo do espectáculo, como um todo, e com o mundo do cinema, em particular; e significa "estreia", que é aquilo que este álbum é: a estreia de Qwentin numa "longa metragem".
Para além de recorrer (fruto do acaso) ao leque de cores de Qwentin, a imagem transmite a teatralidade do conceito; e aquela tímida mão, que espreita da cortina, recorda aquele «nervoso miudinho» que se sente nos momentos que antecedem uma estreia (ou qualquer outro grande momento de uma vida). É o Qwentin que lá está, a espreitar-nos por detrás da cortina, de cada vez que pisamos um palco...

6 – Rui Duarte (Ramp):
A voz é um instrumento como qualquer outro. Determinadas vozes ficam bem em determinados "moods". O "Mind (the) Thieves" pedia uma voz como a do Rui - um amigo de longa data que sempre nos apoiou. E um grande vocalista de uma grande banda (que inspirou boa parte da nossa aprendizagem musical). O resultado final excedeu as nossas expectativas - o Rui vestiu mesmo a "camisola" de Qwentin.

7 – Projecções vídeo e teatralidades ao vivo:
A apresentação ao vivo é mais de metade da força do Qwentin. O guarda-roupa, a caracterização, a utilização de elementos teatrais (sejam interacções entre os músicos, seja com recurso a actores), a não-comunicação verbal directa com o público (o contacto é puramente físico, através de olhares, de linguagem corporal - a comunicação verbal é feita através de um narrador, uma "voz-off", que intercede em momentos-chave) e o recurso a imagens vídeo (que dão ao público uma ou outra pista para descodificar o "argumento" de cada tema interpretado) fazem do concerto de Qwentin uma poderosa experiência audiovisual, situada bem para lá de um mero espectáculo ao vivo.

8 – Influências musicais e outras:
Os gostos dentro da banda abarcam praticamente todo e qualquer estilo de música alguma vez criado. O Rock/Pop é o estilo de eleição, mas todos gostamos de música, seja qual for o estilo. Por vezes, é na musica mais ensossa do músico mais desinteressante que encontramos um determinado pormenor que nos abre uma série de portas à criatividade.

9 – Filmes recomendados pela banda:
Os melhores filmes, e os que mais influenciam a nossa música, são aqueles que acontecem na vida real. Apesar de tratarmos, nas nossas músicas, de temas como a fantasia e a ficção científica, isso não significa que não tenham um fundo de verdade...

10 – Raging Planet Records:
A ligação com a Raging Planet começou com um convite para integrarmos uma colectânea, com edição prevista para o início de 2008. O Daniel Makosch desafiou-nos a fazer a "cover" de um clássico da música portuguesa - optámos por fazer o "Zuvi Zeva Novi", de Mler Ife Dada.
Entretanto, tínhamos o disco finalizado e pronto a distribuir. Após uma série de reuniões para acertar todos os detalhes importantes, partimos para a edição conjunta - uma parceria que esperamos que se fortaleça e dê muitos frutos para ambas as partes, nos anos vindouros.

11 – Promoção ao disco:
13 Novembro: entrevista no Curto Circuito (Sic Radical);
15 Novembro: concerto no Bar Europa (Lisboa) - apresentação do álbum;
23 Novembro: concerto no Centro Cultural do Cartaxo;
08 Dezembro: concerto no Bar Som Líquido (Tavira), com Guernica Havoc;
09 Dezembro: showcase na Fnac da Guia (AlgarveShopping) - promoção do álbum;
20 Dezembro: concerto na escola Restart (Lisboa);
11 Janeiro: concerto no Centro da Juventude das Caldas da Rainha.

12 – Mensagem final:
O desconhecido começa já ali ao lado, naquela esquina que dobramos todos os dias sem pensar muito nisso.
Recordando "A Ilha", de Aldous Huxley: «"Aqui e neste momento, rapazes", salmodiou o pássaro. "Aqui e neste momento, rapazes."»

E claro... Não acreditem, é tudo verdade.Ass: Qwentin (foi mesmo respondido por todos os membros - Bárány Qwentinsson, Drepopoulos Qwentinsson, Gospodar Qwentinsson, Morloch Qwentinsson, Qweon Qwentinsson)
-
http://www.qwentin.com/ / http://www.ragingplanet.web.pt/ / www.myspace.com/ragingplanetrecordsportugal

Banshee And Something Else We Can’t Remember - Entrevista

1 – Banshee And Something Else We Can’t Remember (curta biografia, pontos altos, discografia, etc):
Os Banshee And Something Else We Can’t Remember formaram-se em 2002 em Setúbal depois algumas transformações na formação da banda hoje a banda divide-se entre Setúbal e Palmela e da qual fazem da parte: David (Guitarra e Voz), Jójó (Baixo), Mike (Trompete), João (Bateria) e Ricardo (Voz).
Em 2004 Gravamos o primeiro trabalha o EP “Drunk Broke But Happy” no Margem Sul Estúdios com o Francisco Santos e o Ricardo Barreto. Entramos numa fase de promover e nos mostrar ao mundo correndo o país de norte a sul. Curiosamente o EP também suscitou interesse fora das nossas fronteiras não só em fans como também imprensa e em 2005 fomos eleitos pelo site americano famouspunk.com como best internacional 2004. Já em 2006 no fim do verão fizemos uma tour em Espanha que serviu como uma pré-apresentação do álbum a um público totalmente desconhecido.
Até chegar-mos a 2007 onde lançamos o nosso primeiro trabalho o álbum “This Place Is a Zoo”.

2 – “This Place Is A Zoo” (processos de composição e gravação):
O álbum “This Place Is a Zoo”começou em processo de composição imediatamente a pormos o EP cá fora. Curiosamente 4 dos temas de fazem parte do álbum foram, escritos cerca de 3 a 4 dias antes de irmos para estúdio pois achávamos que o material que tínhamos não era bom o suficiente. Uma verdade é que desde que a banda se consolidou com a formação actual as musicas tomaram formas e sonoridades completamente diferentes. Grande parte do álbum foi feito em estúdio com a ajuda do Produtor Francisco Santos e com a assistência de Ricardo Barreto.

3 – Eddie Ashworth & Jason Livermore / Bill Stevenson:
A primeira pessoa a encorajar-nos a tentar algo com um passo acima curiosamente foi o Francisco Santos.
Quando estávamos na fase inicial de gravações em estúdio a Masterização já ficou pré-acordada com Bill Stevenson e Jason Livermore.
Procuramos um produtor que completa-se como banda para misturar o álbum e depois de muitos contactos e já a esperança perdida surgiu-nos uma resposta bastante positiva por parte do Eddie Ashworth e um entusiasmo enorme. Concluídas as gravações deu-se então a fase de mistura e de masterização a qual Eddie Ashorth sempre nos ajudou e acompanhou até ao resultado final.

4 – Letras (influências, temas, mensagens):
As nossas letras falam basicamente sobre experiências a nível pessoal ou social. Este álbum fala metade em experiências pessoais e metade em sociais. O tema “This Place Is a Zoo” é uma critica social em que comparamos a sociedade com a vida animal ou o tema “ We got To Fight and stand up” em que apela em que temos de nos revoltar contra este mundo de destruição, de guerra, de fome em que se segue logo o tema “Every Second In every Hour” fala sobre a verdade e em que temos de fazer escolhas e ai é que aprendemos e se fizermos as escolhas erradas devemos continuar a lutar pelas certas e não ficar rendido as escolas certas. Claro que depois há o tema acústico e evidentemente é um tema de fala de amor como mais alguns temas do álbum, o amor é um sentimento existente em todo o ser humano e deve-se falar nisso ou exprimir sobre isso quando assim nos sentimos.

5 – Capa do disco (quem, porquê, significado, …):
A Capa do disco ficou a cargo do nosso amigo de longa data Filipe Oliveira que é uma pessoa que sempre nos ajudou a ultrapassar vários obstáculos. O conceito girou todo em redor da banda e do título do álbum. Na capa do álbum somos encarados como os macacos pois somos os que fazem as palhaçadas neste reino animal em vez de sermos um predador sempre em caça da presa. Quisemos dar este conceito a todo o álbum pois nos achamos que uma banda também tem de transmitir mensagem já que conseguimos chegar a algumas pessoas pela música. Através dum som alegre e quente e muita diversão tentamos alertar que não nos podemos esquecer o que se passa no mundo seja a falar de guerra ou de amor.

6 – Influências musicais e outras:
Curiosamente todos nós temos influências distintas. Primeiro de tudo somos grandes consumidores de todos os géneros musicais estamos sempre a partilhar novas bandas ou compositores. Na banda existe quem seja mais virado para o rock progressivo e metal, outros para o reagge, outros mais punkrock outros mais poprock outros ainda mais jazz e clássico… mas chegamos sempre a um consenso. Em termos de género no nosso estilo musical bandas da Third Wave Generation são basicamente as nossas influências.

7 – Raging Planet Records:
Lançamos o álbum pela Raging Planet Records porque nos surgiu essa oportunidade e ficamos muito contentes pela atenção e pela maneira como fomos recebidos. A Raging Planet Records é uma editora que aposta nas bandas portuguesas e luta para melhorar o panorama nacional e para nós é um orgulho poder estar na família da Raging Planet ao lado de grandes bandas nacionais.

8 – Concertos de promoção ao disco:
Em relação a concertos de promoção ao disco fizemos as duas festas de lançamento em Lisboa e Pombal respectivamente e de momento estamos a trabalhar para marcar muitos mais shows para promover este trabalho.

9 – Mensagem final:
A nossa mensagem para todos é simplesmente que apoiem as bandas nacionais seja qual for o género musical. Um Forte Abraço para tod@s.

Entrevistador: RDS
Entrevistado: Ricardo (Vocalista)
-

Palace Terrace - Entrevista


1 – Palace Terrace (origin and meaning of the project’s name, short bio with highlights, discography, etc):
GB - Palace Terrace was formed after I had a vision for a vocal oriented album. I composed the "Flying Through Infinity" album shortly after releasing my solo album "Venomous Fingers". After completing the composition process for the album I began the search for a lead singer. It was an early Sunday morning that I put a call into Vocalist Jonathan Marshall. While speaking to Jonathan I explained to him that I had this progressive and neoclassical style album and would like for him to sing on it, without hesitation he agreed to record the tracks. I then further revealed to him the "Flying Through Infinity" concept I had, along with the seeds for the meaning and development of each song. After our conversation I sent him the entire album and the vocal production was underway. The band name was born when Jonathan and I were taking a break from recording vocals in my private studio. I was suggesting a name that sounded royal, majestic and "made for a palace". After further contemplation Jonathan said "Terrace"... "Palace Terrace". The timeline for the vocal production was extensive and extremely laborious, it wound up taking longer than I had anticipated due to studio scheduling, working and re-working John's improvisations and all my vocal parts. In the end the amount of time it took to complete was worth it to me, for it is satisfying both emotionally and intellectually.

2 – “Flying Through Eternity” (writing & recording process):
GB - I had composed the album on staff paper and also recorded the main body of music before ever approaching the other musicians. Once I brought Jonathan aboard we had worked intensely on the improvisations as well as the additional melodic and counterpoint sections I composed. Jonathan had written some lyrics based off of the "Flying Through Infinity" concept and seed ideas for the individual songs I had initially presented to him. I had also written lyrics to further project the song's original meaning. When we got together we melded our lyrics into what you hear on the album.

3 – Lyrics (influences, themes, messages) and the main lyrical concept of this record:
GB - In brief... it is a journey through space and time questioning what happens in higher dimensions, wondering if we'll find loved ones on the other side, wondering why we each go through the path we do, and then coming full circle back to a place to call home. As I previously mentioned the lyrics on the album were written by both Jonathan Marshall and myself. The concept of the album was influenced by my love and fascination of astrophysics.

4 – Album frontcover / artwork (who, why, meaning, …):
GB - The album's front cover is depicting a soul flying through the universe, or rather flying through infinity. The artwork reflects the soul looking over planet Earth and all of it's inhabitance. The artwork was conceptualized, designed and created by myself. Along with the lyrics the album came out rather spiritual, without ever really insinuating a particular religion. It definitely conveys a sense of awe, inspired by the grandiose scheme of who, what and were we are.

5 – Musical and other kind of influences:
GB - The music on the album is highly influenced by strict classical composition techniques in combination with modern elements. There are vocal sections that I composed using strict 4-part writing rules and other sections that utilize extensive odd-meters and modern harmony. The song forms used on the album were not restricted to any particular structure and came out rather unique sounding.

6 – Lion Music:
GB - Lion Music I truly believe to be somewhat of a saviour record label that brings high caliber musicianship and captivating artists to the public. While they are indeed in the business of selling records, they too are much concerned with bringing something new, fresh, innovative and over the top to both fans and musicians alike. Lasse Mattson is a talented guitarist and musician himself which I think really aids in bringing to the label the high quality musicians associated with it.

7 – Tour to promote the record:
GB - With the proper management and support a tour is highly probable. We all want to play this material live and very much look forward to meeting and talking with the fans.

8 – Final Message:
GB - I look forward to releasing many more albums in the future of both instrumental and vocal types. I already have several hours of new material on staff paper waiting to be recorded, pieces that have already been recorded and am also continuously composing more material. It will never stop and look forward to bringing much more music to public for their enjoyment. A big sincere thanks to all my fans worldwide for all your continued enthusiastic support and feedback throughout the years.


Entrevistador: RDS
Entrevistado: George Bellas - Composer of Palace Terrace.

Tuesday

Mandrake - Entrevista

1 – Mandrake (origin and meaning of the band’s name, short bio with highlights, discography, etc):
Lutz: Mandrake was brought to life by me in the wastelands of northern germany ("Ostfriesland") in the late 90`s. In 1998, the self-produced album "Forever" was recorded, presenting the band as a mixture of slow death-metal and elements of the gothic-scene. Female vocals were rare and sung by a guest-vocalist. 1999 Birgit Lau joined the band and her part became bigger and bigger. After several demos, in 2003, Mandrake signed a contract with the label Greyfall/Prophecy Productions. The label-debut "Calm the Seas" was released at the end of 2003. For the first time, this record presents the current line-up with Garvin Bösch on Bass-guitar and Jörg Uken on drums. Live-keyboarder Julius Martinek also became a full member, but soon prefered electric guitars. The music of Mandrake is voluptuous, sometimes epic, sometimes fragile, supported by "real" strings, low guitars and powered by pounding drums. Above all, the significant voice of Birgit. Lyrics and music often deal with the forces of nature, especially water, and the desire to reach distant shores and galaxies. On stage, the musicians of "Mandrake" represent themselves as a tight soundwall with heart and brains. The term mandrake (mandragora) is taken from a poisonous plant which is a symbol for spiritual and supernatural powers. The second album "The Balance of Blue" was be released on march, 14 th. 2005, along with contributions to samplers (Orkus, Legacy a. o.). The song "soaked through the skylight" was also featured on the DVD of the WGT in Leipzig 2004. At the end of 2007 we release our third album called “Mary Celeste”.

2 – “Mary Celeste” (writing & recording process):
Lutz: Yeah, we write the songs for “Mary Celeste” during January and March 2007. The pre-recordings started in April for only one week to produce some demos to find out, how the “Mary Celeste” may sound. In May and June we recorded the whole stuff at our Soundlodge Studio (www.soundlodge.de) of Drummer Jörg Uken and the mastering was done in july at the Klangschmiede Studio e by Markus Stock (The Vision Bleak).

3 – Lyrics (influences, themes, messages):
Lutz: We handled songwriting a little different this time. A close friend of ours, namely former Mephistopheles vocalist Eike, has written all lyrics on Mary Celeste. I do not exactly know where he gets his inspiration from, I think he reads a lot of old prose, like John Keats for example. The lyrics basically are about conflicts of life and death, imaginations beyond the mortal way of thinking, embedded in landscapes of our home, the North Sea and its shores. There is no real concept about the Mary Celeste over the whole album, it’s more a red line of mysteries, sorrow and ways to deal with it. The ghostship Mary Celeste, which gave our album its title, is a fascinating story. It perfectly sums up all lyrical themes without forgetting our roots.

4 – Album frontcover / artwork (who, why, meaning, …):
Lutz: The frontcover and artwork was done by Lukasz Jaszak (http://www.jaszak.net/). Mandrake has maybe something like a tradition, that Birgit Lau is on the frontcover. So we always try to combine the Theme of the album with some photographs of Birgit. On the new album you can see Birgit in front of the ship “Mary Celeste”. The whole artwork has this old bookstyle. It shall look like an old Diarybook of the Captain of the ship.

5 – Musical and other kind of influences:

Lutz: Oh, there are so many influences. I mean, we are all addicted to different kinds of metal music. We all started playing in different metalbands. My roots go back to old stuff like first Kreator and Destruction releases. In the last years our favourite music styles became more open minded. Today we also listen to all kind of rock and pop music. So I like the Slayer stuff like “Hell awaits” and something like that, but at the same time I listen to Neil Young or music like Sigur Ros and Wovenhand. One of my faves are Katatonia, Deinonychus, Sceptikism, EA 80, Rotting Christ (old ones) and of course the great Bolt Thrower. I also like Alcest from Avignon. Yeah, and other kind of influences: it`s life with all his ups and downs.

6 – GreyFall:
Lutz: Greyfall, yeah maybe the best record-company in the world, ha ha. We are so happy to be in the Greyfall and Prophecy family and we never want to end up with them. I mean, they never told us how the music has to sound. So we really can do what we want because they believe in our music. That’s the goal for every musician I think.

7 – Tour to promote the record:
Lutz: I sadly have to say no. We all wish that we could go on tour with Mandrake to promote our new album. The main problem is, that we don’t have a booking agency. So we are on search for any help in this way. We are a live-band and we like it very much to play in front of crazy people. So: Please get in touch!!!

8 – Final Message:
Lutz: Thank you very much for this interview. We hope that your readers may have an impression of Mandrake and our new album “Mary Celeste”. So you may have a look at our page http://www.mandrake.de/ or our myspace site www.myspace.com/mandrakemetal and listen to some songs and watch our video of the wave gotik meeting in Leipzig/Germany.

GreyFall / Grau: www.grau.cd/label

Dark Elf – Mar De Sueños (2006) – Self Released

Os Dark Elf são Espanhóis e tocam Heavy / Power Metal tradicional, tal como ele é apreciado na vizinha Espanha. Quase todo o Heavy Metal que vem da Espanha tem uma grande falha, que é a produção. Ultimamente a coisa tem-se vindo a compor, mas mesmo assim, ainda há aquele tipo de produções que fazem os discos parecer maquetes caseiras. Neste “Mar De Sueños” a coisa nem é assim tão má, mas mesmo assim, uma produção melhor seria bem mais benéfica para a banda. O álbum também peca por ser muito longo, ultrapassando os 70 minutos. Como já referi, o que nos é apresentado é Heavy Metal tradicional com certos toques Power Metal e Neoclássicos. Há ainda uma ligeira vertente Folk / Celta que provém talvez do uso de flauta. Há por aqui algumas boas ideias a todos os níveis, a parte instrumental é acima da média e as vozes, partilhadas entre o guitarrista e a flautista, são muito melhores do que o habitual registado “esganiçado” de pretensos vocalistas de Heavy Metal a puxar pelas gargantas e a desafinar a torto e a direito. A capa é um pouco primitiva, a fazer lembrar aquelas capas da década de 80, mas adequa-se à música, também apoiada nessa década dourada do Heavy mundial. Uma banda acima da média mas ainda jovem e que precisa de mais rodagem ao vivo, além de alguma experiência de garagem e de estúdio. 65% http://www.darkelfmusic.tk/ / www.myspace.com/darkelfmusic
RDS

Airtime – Liberty Manifesto (2007) – Escape Music

Este é um projecto de Rik Emmett e Michael Shotton, os quais se conheceram num espectáculo orquestral no qual estavam a prestar as suas vozes. Já conheciam, e eram apreciadores, dos passados musicais um do outro em Triumph e Von Groove. Começaram a compor algum material juntos e o resultado final é este mesmo “Liberty Manifesto”, o qual é agora lançado sob a designação Airtime. Hard Rock bem melódico e com algumas inspirações clássicas, AOR, 80s Arena Rock e até Progressivas. O disco foi gravado apenas pelos dois músicos, encarregando-se Emmett das vozes, guitarras e baixo, enquanto que Shotton ficou a cargo da bateria, percussões, teclas e vozes de apoio. Um grandioso disco de Hard Rock melódico dos 80s transportado para o século XXI. Alguns temas a encher, isso é verdade, mas a grande maioria revela um excelente trabalho de composição. Para fãs de bandas como Led Zeppelin, Journey, Rush, Queen, Triumph, Survivor, Europe, Marillion, entre outras. 75% http://www.escape-music.com/
RDS